O que ver em

Valença

se ficar

Meio Dia

Ao chegar a Valença ficamos logo impressionados pela imponência das muralhas desta fortaleza. A sua origem recua ao século 12, mas o que hoje nos impressiona é já do tempo da Guerra da Restauração com Espanha, no final do século 17.

Felizmente vivemos em tempos de paz e podemos entrar pela Porta da Coroada e começar a visita pelo Paiol do Campo de Marte, onde está instalado o Turismo. Depois veja a capela de S. Sebastião, ali ao lado e siga para a Capela Militar do Bom Jesus, onde está a imagem de Nossa Senhora do Carmo que acompanhou em batalha os combatentes que defenderam Portugal das invasões napoleónicas. À saída repare na estátua de São Teotónio, o primeiro santo português, natural da freguesia de Ganfei.

Continue a caminhar e passe a porta do Meio, que liga a Coroada e o Recinto Magistral. Desça até à Praça da República, onde pode ver a Câmara Municipal.

Esta zona está repleta de lojas onde poderá encontrar produtos de alta qualidade a preços interessantes, pode parar para tomar um café, apreciando o movimento comercial de Valença.

Continue pela antiga Rua Direita ou da Corredoura (hoje Rua Mouzinho de Albuquerque), onde poderá ver casas que demonstram a riqueza dos seus habitantes, conseguida pelos feitos militares e pelo comércio. Admire a manuelina casa do Eirado e, mais à frente, entre no Núcleo Museológico de Valença, onde, numa casa que já foi cadeia e Paços do -Concelho, vai ficar a conhecer melhor a história de Valença.

Faça um desvio para ver o Marco Miliário que prova a importância da via romana que ligava Braga a Lugo e depois veja também a Igreja de Santo Estevão, onde pode ver a cadeira episcopal, datada do século 15.

Se regressar à Rua Direita, vai encontrar a casa do General Champalimaud e a Casa do Cadaval e, finalmente, a Igreja de Santa Maria dos Anjos ou igreja Matriz, e a Igreja da Misericórdia.

Mas Valença não é só história antiga, por isso veja também a pousada de São Teotónio, construída em 1962, um edifício modernista perfeitamente integrado na fortaleza.

Aproveite agora para espreitar as muralhas e ver a cidade de Tui que lhe fica defronte e a ponte ferroviária sobre o rio Minho. Vá à Porta da Gaviarra e depois ao Baluarte do Socorro. Continue o passeio pela muralha, passe pela Fonte da Vila e vá admirando as diferentes paisagens que se vão revelando do alto dos seus doze baluartes.

O que ver em

Valença

se ficar

um dia

Ao chegar a Valença ficamos logo impressionados pela imponência das muralhas desta fortaleza. A sua origem recua ao século 12, mas o que hoje nos impressiona é já do tempo da Guerra da Restauração com Espanha, no final do século 17.

Felizmente vivemos em tempos de paz e podemos entrar pela Porta da Coroada e começar a visita pelo Paiol do Campo de Marte, onde está instalado o Turismo. Depois veja a capela de S. Sebastião, ali ao lado e siga para a Capela Militar do Bom Jesus, onde está a imagem de Nossa Senhora do Carmo que acompanhou em batalha os combatentes que defenderam Portugal das invasões napoleónicas. À saída repare na estátua de São Teotónio, o primeiro santo português, natural da freguesia de Ganfei.

Continue a caminhar e passe a porta do Meio, que liga a Coroada e o Recinto Magistral. Desça até à Praça da República, onde pode ver a Câmara Municipal.

Esta zona está repleta de lojas onde poderá encontrar produtos de alta qualidade a preços interessantes, pode parar para tomar um café, apreciando o movimento comercial de Valença.

Continue pela antiga Rua Direita ou da Corredoura (hoje Rua Mouzinho de Albuquerque), onde poderá ver casas que demonstram a riqueza dos seus habitantes, conseguida pelos feitos militares e pelo comércio. Admire a manuelina casa do Eirado e, mais à frente, entre no Núcleo Museológico de Valença, onde, numa casa que já foi cadeia e Paços do -Concelho, vai ficar a conhecer melhor a história de Valença.

Faça um desvio para ver o Marco Miliário que prova a importância da via romana que ligava Braga a Lugo e depois veja também a Igreja de Santo Estevão, onde pode ver a cadeira episcopal, datada do século 15.

Regresse à Rua Direita para ver a casa do General Champalimaud e a Casa do Cadaval e, finalmente, a Igreja de Santa Maria dos Anjos ou igreja Matriz, e a Igreja da Misericórdia.

Mas Valença não é só história antiga, por isso veja também a pousada de São Teotónio, construída em 1962, um edifício modernista perfeitamente integrado na fortaleza.

Aproveite agora para espreitar as muralhas e ver a cidade de Tui que lhe fica defronte e a ponte ferroviária sobre o rio Minho. Vá à Porta da Gaviarra e depois ao Baluarte do Socorro. Continue o passeio pela muralha, passe pela Fonte da Vila e vá admirando as diferentes paisagens que se vão revelando do alto dos seus doze baluartes.

 

De tarde visite o Museu do Bombeiro e depois saia da fortaleza pela Portas do Sol e caminhe pelo lado de fora das muralhas em direcção à ponte internacional sobre o rio Minho que liga há muitos anos Portugal e Espanha. Aprecie a paisagem ribeirinha e veja, agora por fora, a grandeza dos panos da muralha.

Atravesse agora a cidade em direcção à estação de comboios, onde pode visitar o Museu ferroviário, com verdadeiras preciosidades, como é a carruagem onde o presidente da República Bernardino Machado fez a sua primeira viagem oficial ao estrangeiro.

Não se vá embora sem ir ao Monte do Faro ver a fantástica vista!

O que ver em

Valença

se ficar

dois dias

Ao chegar a Valença ficamos logo impressionados pela imponência das muralhas desta fortaleza. A sua origem recua ao século 12, mas o que hoje nos impressiona é já do tempo da Guerra da Restauração com Espanha, no final do século 17.

Felizmente vivemos em tempos de paz e podemos entrar pela Porta da Coroada e começar a visita pelo Paiol do Campo de Marte, onde está instalado o Turismo. Depois veja a capela de S. Sebastião, ali ao lado e siga para a Capela Militar do Bom Jesus, onde está a imagem de Nossa Senhora do Carmo que acompanhou em batalha os combatentes que defenderam Portugal das invasões napoleónicas. À saída repare na estátua de São Teotónio, o primeiro santo português, natural da freguesia de Ganfei.

Continue a caminhar e passe a porta do Meio, que liga a Coroada e o Recinto Magistral. Desça até à Praça da República, onde pode ver a Câmara Municipal.

Esta zona está repleta de lojas onde poderá encontrar produtos de alta qualidade a preços interessantes, pode parar para tomar um café, apreciando o movimento comercial de Valença.

Continue pela antiga Rua Direita ou da Corredoura (hoje Rua Mouzinho de Albuquerque), onde poderá ver casas que demonstram a riqueza dos seus habitantes, conseguida pelos feitos militares e pelo comércio. Admire a manuelina casa do Eirado e, mais à frente, entre no Núcleo Museológico de Valença, onde, numa casa que já foi cadeia e Paços do -Concelho, vai ficar a conhecer melhor a história de Valença.

Faça um desvio para ver o Marco Miliário que prova a importância da via romana que ligava Braga a Lugo e depois veja também a Igreja de Santo Estevão, onde pode ver a cadeira episcopal, datada do século 15.

Se regressar à Rua Direita, vai encontrar a casa do General Champalimaud e a Casa do Cadaval e, finalmente, a Igreja de Santa Maria dos Anjos ou igreja Matriz, e a Igreja da Misericórdia.

Mas Valença não é só história antiga, por isso veja também a pousada de São Teotónio, construída em 1962, um edifício modernista perfeitamente integrado na fortaleza.

Aproveite agora para espreitar as muralhas e ver a cidade de Tui que lhe fica defronte e a ponte ferroviária sobre o rio Minho. Vá à Porta da Gaviarra e depois ao Baluarte do Socorro. Continue o passeio pela muralha, passe pela Fonte da Vila e vá admirando as diferentes paisagens que se vão revelando do alto dos seus doze baluartes.

 

De tarde visite o Museu do Bombeiro e depois saia da fortaleza pela Portas do Sol e caminhe pelo lado de fora das muralhas em direcção à ponte internacional sobre o rio Minho que liga há muitos anos Portugal e Espanha. Aprecie a paisagem ribeirinha e veja, agora por fora, a grandeza dos panos da muralha.

Atravesse agora a cidade em direcção à estação de comboios, onde pode visitar o Museu ferroviário, com verdadeiras preciosidades, como é a carruagem onde o presidente da República Bernardino Machado fez a sua primeira viagem oficial ao estrangeiro.

Não se vá embora sem ir ao Monte do Faro ver a fantástica vista!

 

Aproveite o segundo dia para passear pelo concelho de Valença e pelos seus monumentos religiosos. Comece por ir a Ganfei ver o mosteiro beneditino. Siga depois para Sanfins, onde pode ver a igreja Românica do mosteiro, num magnífico enquadramento rural. Por fim visite o Convento de Mosteiró, no Cerdal, onde pode apreciar o interior barroco e a vista magnífica sobre o Rio Minho.

Pelo caminho, passe pelo Museu Rural de Taião, onde pode ficar a conhecer melhor a vida rural tradicional da região.

Se preferir um dia mais calmo, passeie caminhe pela margem do rio Minho, visitando o Parque da Senhora da Cabeça e siga para o biótipo da Veiga de Mira, uma zona húmida com grande importância em termos de fauna e flora, onde pode também visitar a Ponte Medieval. Se quiser, pode fazer os cerca de 4 km que distam de Valença, usando o trilho pedestre.