O que ver em

Caminha

se ficar

Meio Dia

Comece a vista a Caminha na praça Conselheiro Silva Torres, o antigo Terreiro da vila. Aqui pode ver um Chafariz e a Igreja da Misericórdia quinhentistas. A seiscentista Casa dos Pitas e os Paços do Concelho mostram bem que está no centro cívico da Vila.

Comece então o seu passeio, visitando a Torre do Relógio, mais antiga que os monumentos, por ter integrado a muralha da vila. Aqui está instalado um Núcleo Museológico do Centro Histórico de Caminha, onde ficará a conhecer a evolução urbana e onde tem um privilegiado ponto de vista sobre a vila.

Quando sair entre no núcleo mais antigo passando por baixo da Torre, na Rua Direita repleta de casas quinhentistas, que o fazem recuar no tempo. Vai encontrar a Igreja Matriz, começada a construir em 1428 e um dos mais importantes edifícios góticos do Norte do país. Os seus portais são magníficos e não podemos deixar de sorrir quando vemos uma das gárgulas a mostrar o traseiro aos vizinhos galegos.

Continuando a passear, vai encontrar o Museu Municipal, instalado na antiga Cadeia, com uma exposição de arqueologia que merece visita.

Continue o passeio, pela Corredoura, em direcção ao Convento de Santo António e aos baluartes que reforçaram a defesa da vila o século 17 e aprecie a vista sobre a foz do rio Minho. Não se esqueça de procurar o Forte da Ínsua, instalado numa pequena ilha.

O que ver em

Caminha

se ficar

um dia

Comece a vista a Caminha na praça Conselheiro Silva Torres, o antigo Terreiro da vila. Aqui pode ver um Chafariz e a Igreja da Misericórdia quinhentistas. A seiscentista Casa dos Pitas e os Paços do Concelho mostram bem que está no centro cívico da Vila.

Comece então o seu passeio, visitando a Torre do Relógio, mais antiga que os monumentos, por ter integrado a muralha da vila. Aqui está instalado um Núcleo Museológico do Centro Histórico de Caminha, onde ficará a conhecer a evolução urbana e onde tem um privilegiado ponto de vista sobre a vila.

Quando sair entre no núcleo mais antigo passando por baixo da Torre, na Rua Direita repleta de casas quinhentistas, que o fazem recuar no tempo. Vai encontrar a Igreja Matriz, começada a construir em 1428 e um dos mais importantes edifícios góticos do Norte do país. Os seus portais são magníficos e não podemos deixar de sorrir quando vemos uma das gárgulas a mostrar o traseiro aos vizinhos galegos.

Continuando a passear, vai encontrar o Museu Municipal, instalado na antiga Cadeia, com uma exposição de arqueologia que merece visita.

Continue o passeio, pela Corredoura, em direcção ao Convento de Santo António e aos baluartes que reforçaram a defesa da vila o século 17 e aprecie a vista sobre a foz do rio Minho. Não se esqueça de procurar o Forte da Ínsua, instalado numa pequena ilha.

 

Vamos agora a Vila Praia de Âncora, reparando na beleza da foz do Rio Minho e no pinhal do Camarido. Dirija-se a Moledo e pare para apreciar a praia e ver o Monte de Santa Tecla do outro lado da foz do rio Minho, galego por localização, português porque é do nosso lado que o vemos no seu esplendor.

Em Âncora dirija-se ao portinho e veja como ainda é forte e personalizada a comunidade piscatória. Ao lado, o protector Forte da Lagarteira, construído no início do século 18, como parte da linha de defesa costeira, juntamente como Forte do Cão, um pouco abaixo.

A vila notabilizou-se como estância balnear, com um belíssimo areal ao que se acede por uma ponte sobre o rio Âncora que aqui vem desaguar. Passeie pela avenida marginal (Av Ramos Pereira) e goze este panorama e o ar marítimo e depois vá até à praça de República, onde está a Capela da Senhora da Bonança, lembrando as angústias que o mau tempo provocava entre os pescadores.

Não pode também deixar de ir se dirigir para o interior e visitar a Igreja Matriz, antes de continuar a subir até ao Monte do Calvário, de onde tem uma vista deslumbrante sobre a vila e o mar. Estando aqui, é um saltinho até à na freguesia de Vile, para ver S. Pedro de Varais, uma bela capela românica, localizada no meio do monte.

Ao descer pode ainda ver o Dólmen da Barrosa, um impressionante monumento megalítico.

O que ver em

Caminha

se ficar

dois dias

Comece a vista a Caminha na praça Conselheiro Silva Torres, o antigo Terreiro da vila. Aqui pode ver um Chafariz e a Igreja da Misericórdia quinhentistas. A seiscentista Casa dos Pitas e os Paços do Concelho mostram bem que está no centro cívico da Vila.

Comece então o seu passeio, visitando a Torre do Relógio, mais antiga que os monumentos, por ter integrado a muralha da vila. Aqui está instalado um Núcleo Museológico do Centro Histórico de Caminha, onde ficará a conhecer a evolução urbana e onde tem um privilegiado ponto de vista sobre a vila.

Quando sair entre no núcleo mais antigo passando por baixo da Torre, na Rua Direita repleta de casas quinhentistas, que o fazem recuar no tempo. Vai encontrar a Igreja Matriz, começada a construir em 1428 e um dos mais importantes edifícios góticos do Norte do país. Os seus portais são magníficos e não podemos deixar de sorrir quando vemos uma das gárgulas a mostrar o traseiro aos vizinhos galegos.

Continuando a passear, vai encontrar o Museu Municipal, instalado na antiga Cadeia, com uma exposição de arqueologia que merece visita.

Continue o passeio, pela Corredoura, em direcção ao Convento de Santo António e aos baluartes que reforçaram a defesa da vila o século 17 e aprecie a vista sobre a foz do rio Minho. Não se esqueça de procurar o Forte da Ínsua, instalado numa pequena ilha.

 

Vamos agora a Vila Praia de Âncora, reparando na beleza da foz do Rio Minho e no pinhal do Camarido. Dirija-se a Moledo e pare para apreciar a praia e ver o Monte de Santa Tecla do outro lado da foz do rio Minho, galego por localização, português porque é do nosso lado que o vemos no seu esplendor.

Em Âncora dirija-se ao portinho e veja como ainda é forte e personalizada a comunidade piscatória. Ao lado, o protector Forte da Lagarteira, construído no início do século 18, como parte da linha de defesa costeira, juntamente como Forte do Cão, um pouco abaixo.

A vila notabilizou-se como estância balnear, com um belíssimo areal ao que se acede por uma ponte sobre o rio Âncora que aqui vem desaguar. Passeie pela avenida marginal (Av Ramos Pereira) e goze este panorama e o ar marítimo e depois vá até à praça de República, onde está a Capela da Senhora da Bonança, lembrando as angústias que o mau tempo provocava entre os pescadores.

Não pode também deixar de ir se dirigir para o interior e visitar a Igreja Matriz, antes de continuar a subir até ao Monte do Calvário, de onde tem uma vista deslumbrante sobre a vila e o mar. Estando aqui, é um saltinho até à na freguesia de Vile, para ver S. Pedro de Varais, uma bela capela românica, localizada no meio do monte.

Ao descer pode ainda ver o Dólmen da Barrosa, um impressionante monumento megalítico.

 

Aproveite o segundo dia para passear na Serra d’Arga, um monte que, desde tempos imemoriais é considerado mágico.

Comece pela capelinha da Senhora das Neves (em Dem), com uma incrível vista sobre Caminha e a foz do Minho e do Coura.

Depois siga em direcção ao Convento de São João d’Arga, num recinto fechado por “quartéis” onde dormem os romeiros em dia de Festa. As belezas naturais e arquitetónicas tornam este lugar fascinante.

Continue o passeio pela serra e deixe-se surpreender pela paisagem de penedia e de socalcos, onde poderá observar garranos em estado selvagem.

Ao regressar, se ainda tiver tempo, por Vilar de Mouros, onde pode ver a ponte e o belíssimo espaço natural, com as azenhas de moer o milho, onde se realiza o Festival de Música.