Programa:

  • Rhapsody in Blue – George Gershwin – piano: Francisco Martins
  • Concerto para clarinete e banda – Artie Chau – clarinete João Valinho
  • Greatest Hits – Diogo Costa
  • Libertadores – Oscar Navarro

Francisco Martins nasceu em 1994 em Viana do Castelo, onde iniciou os seus estudos musicais, na Academia de Música de Viana do Castelo. Enquanto estudante da academia foi premiado em competições de piano a nível nacional e ibérico, e aos 17 anos estreou-se como solista com a Orquestra da Escola Profissional de Música de Viana do Castelo, no Teatro Sá de Miranda.

O pianista vianense foi recentemente admitido na Guildhall School of Music & Drama, em Londres, um dos mais prestigiosos conservatórios do mundo, onde estudaram músicos como Jacqueline du Pré, Anne Sofie von Otter, Dave Holland, Sir George Martin e Dido, e actores como Daniel Craig, Orlando Bloom, Jude Law, e Ewan McGregor, entre outros. Nesta instituição frequentará o Guildhall Artist Masters Programme e obterá os títulos de Master of Music e Master of Performance.

Actualmente estuda em Madrid, no Centro Superior Katarina Gurska, com pianistas de renome internacional como Javier Negrín, Andrey Yaroshinsky, e Nino Kereselidze. É também Licenciado em Música pela Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco, onde estudou com Luísa Tender, e terminou a unidade curricular de Piano com 19 valores.

Em Portugal, participou em masterclasses de pianistas conceituados do panorama nacional, entre os quais Pedro Burmester, Olga Prats, Álvaro Teixeira Lopes, Luís Pipa, Maria José Souza Guedes, e Constantin Sandu.

João Valinho nasceu em Setúbal no ano 1997, inicia os seus estudos musicais em clarinete aos 10 anos com o professor David Pinheiro na Escola de Música da Banda Musical de Monção, ingressando mais tarde no 1º ano do grau médio do Conservatório Profissional de Música de Vigo com a melhor classificação entre os concorrentes na prova de acesso. Aí finaliza os seus primeiros estudos oficiais onde lhe é atribuído o “Premio fim de grau” na especialidade de clarinete. Posteriormente expande os estudos no Conservatório Superior de Música de Vigo com o professor Astério Leiva entre outros.

Realizou masterclasses com Phillipe Berrod, Hedwig Swimberghe, Valerii Althukov, Nuno Pinto, Ognjen Popovic, Dominique Vidal, Rimvydas Savickas, Justo Sanz, Carlos Alves, Luís Carvalho, Luís Gomes, Pablo Fernandez e Máximo Mazzone.

Fez um curso de Jazz com o professor Philippe Leloup.

Foi também selecionado para o estágio “Buffet Crampon Wind Orchestra” em 2016 com o maestro António Saiote e recentemente realizou um curso de direção musical com o maestro Afonso Alves.

Atualmente colabora com a Orquestra Clássica de Vigo e em seus grupos de música de câmara como clarinetista tendo tocado na Faculdade de Geografia e História de Santiago de Compostela, no auditório García Barbón, auditório Mar de Vigo, entre outros. É também solista da Banda Musical de Monção e prossegue os seus estudos no Conservatório Superior de Música de Vigo.

José Vicente Simeó nasceu em Llíria (Valência), onde iniciou os seus estudos musicais com Pablo Sánchez Torella na União Musical de Llíria, em trompete. Aí finaliza os seus primeiros estudos, ampliando-os no Conservatório Superior de Música de Valência, onde atinge o grau médio com a classificação de excelente, com Vicente Prats.
Aos 15 anos ingressa na Banda Municipal de Castellón. como Fliscorno solista. No ano seguinte obtém o 1º prémio no “Concurso Nacional para jóvenes intérpretes”, celebrado em Valencia, e ingressa na Orquestra Sinfónica do Conservatório Superior de Música de Valência. Com 17 anos ingressa na Armada como Sub-oficial Músico.
Actua como concertista no programa de Rádio T.V.E. “El mundo de la música”, acompanhado da Orquestra da R.T.V.E. Finaliza o curso de Professor Superior de Trompete em Madrid com José Ortí, com a classificação de Excelente. Aos 20 anos, por concurso, ingressa no Conservatório Superior de Música de Vigo.
Foi solista convidado de varias Orquestras Sinfónicas (Galícia, Valência, Astúrias, Bilbau….) Como professor leccionou cursos de Vento Metal nos Conservatórios Superiores da Coruña, Ourense, Lugo, Alcañiz, Murcia, entre outros.
Realizou cursos de aperfeiçoamento com Jan Cober, Bernardo Adam Ferrero, Rafael Sanz, Leopoldo Vidal, Guy Touvron, Jose Vicente Egea, J. Ortí, Pierre Thibaud, Hakan Handerberguer, E. Rioja, Jim Litterford, Spanish Brass….
Foi professor de trompete e música de câmara na Fundação Átrio da Música de Viana do Castelo durante 10 anos, e no Conservatório superior de Alicante.
Como compositor, tem composto diversas obras para ensemble de metais, banda sinfónica e concertos para trompete e piano, ventos, etc. Alguns deles, estão gravados em vários discos no Japão e outros países, pelo seu filho, Rubén Simeó, trompetista.

Dirigiu diversas Filarmónicas, destacando-se: Banda Municipal de Ourense, Banda de Tui, Agrupación Musical do Rosal, Banda Sinfónica de Alacuás (Valencia), nas que gravou 10 discos e ganhou vários prémios em certames e concursos. Actualmente é maestro da Banda Musical de Monção (desde o ano 2003), compositor e Professor superior de trompete e música de câmara no Conservatório Superior de Música de Castellón.

Banda Musical de Monção

O registo mais antigo que se conhece está inscrito numa acta da Santa Casa da Misericórdia de Monção, de 25 de Fevereiro de 1792, e nessa época, era conhecida por Banda de Muzica da Vila presumindo-se, contudo, que a sua existência seja ainda anterior.

1792, Gonzallo José de Moiños, de nacionalidade Espanhola, foi o primeiro Maestro. 1830, já a Banda abrilhantava festividades sendo Maestro o abade D. Lourenço, também, de nacionalidade Espanhola e Capelão do Palácio da Brejoeira. A Filarmónica era constituída por 15 músicos. De Maestro em Maestro, quer formados em Monção, quer outros contratados, civis e militares, chegou-se ao ano de 1918. Em 1890, foi feita a primeira fotografia da Banda da qual já faziam parte 20 músicos.

1918, passou a chamar-se Banda dos Bombeiros Voluntários de Monção, por deliberação da Direcção.

1933, a Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Monção, deliberou em reunião do executivo, outorgar-lhe o titulo honorifico de Banda Municipal de Monção, pelos brilhantes serviços prestados à cultura.

1945, participação na inauguração do Estádio de Futebol do Riazor, Corunha Espanha.

1969, por força de lei foram elaborados os seus primeiros Estatutos, e inscreveram-se os primeiros 120 sócios fundadores, passando a chamar-se Banda Musical de Monção, titulo que mantém.

1970, década 70/80, gravou diversos discos (Maestro Miguel de Oliveira).

1971, classificou-se em 3o lugar no Concurso de Bandas Civis de 1o Categoria (Palácio Cristal/ Porto).

1980, a Câmara Municipal de Monção, em sessão pública, outorgou-lhe a medalha de ouro do Município pelos seus mais de 150 anos ao serviço da Cultura.

1984, gravou a sua 1ªa cassete (Maestro Viriato Araújo).

1996, classificou-se em 3o lugar na participação na RTP2, programa “À Volt a do Coreto”.

1998, pela declaração no134/98 e nos termos do Decreto-lei no460/77,foi declara pelo governo instituição de utilidade pública.

2005, gravação do 1o CD (Maestro Prof. José Vicente).

2006, dirigida pelo Maestro José Vicente Simeó, a Banda Musical de Monção foi vencedora do Concurso de Bandas Filarmónicas da Cidade de Aveiro. 2009, gravação do CD “Contrastes Sinfónicos” (Maestro Prof. José Vicente).

De 1792 a 2014, conhecem-se 23 Maestros, destacando-se entre outros: Gonzallo José de Moiños (1792), abade D. Lourenço(1830), Miguel Maria Pereira (1880), Sargento Músico, Luis José Gonçalves (Mestre Luis – 1897 a 1928), Sargento Musico Sebastião José Passos (1928 a 1952) Oscar Ferreira, Luis Lourenço, Sargento Músico Manuel Ferreira Pais, Miguel António Peixoto de Oliveira (1964 a 1983), Manuel Silva Lourenço (1983), Sargento Chefe, Viriato Carneiro Araújo (1983 a 1986), Sargento Chefe, Domingos José Campos Cardoso (1986 a 2003) e actualmente, Professor Dr. José Vicente Simeó Mañez (desde 2003), este, de nacionalidade Espanhola.

A Banda Musical de Monção, através dos tempos, participou em milhares de festividades e em todo o tipo de eventos culturais tais como: romarias, procissões, concertos, encontros de Bandas, concursos, geminações de Municípios, gravações, recepções oficiais, homenagens e actos solenes.